Uma mensagem de Marshall Vian Summers

Durante os últimos 25 anos, eu tenho sido imerso numa vivência religiosa. O resultado disso tem sido a recepção de um conjunto imenso de escrituras sobre a natureza da espiritualidade humana, e sobre o destino da humanidade no quadro de um panorama maior de vida inteligente no universo. Estas escrituras, incorporadas no ensinamento do Caminho do Conhecimento da Comunidade Maior, contêm uma estrutura teológica que explica a vida e a presença de Deus na Comunidade Maior, o vasto expanso do espaço e do tempo que conhecemos como nosso universo.

A cosmologia que eu estou recebendo contem muitas mensagens, umas das quais é que a humanidade está emergindo numa Comunidade Maior de vida inteligente e precisamos nos preparar para isto. Uma parte inerente desta mensagem é o entendimento que a humanidade não está sozinha no universo ou mesmo dentro de nosso próprio mundo, e que dentro desta Comunidade Maior, a humanidade terá amigos, concorrentes e adversários.

Esta realidade maior foi confirmada de modo dramático quando recebi a repentina e inesperada transmissão do primeiro conjunto dos Relatórios dos Aliados da Humanidade em 1997. Três anos atrás, em 1994, tinha recebido a estrutura teológica para poder compreender os Relatórios dos Aliados no meu livro Espiritualidade da Comunidade Maior: uma Nova Revelação. Aí, como fruto de meu trabalho espiritual e minhas escrituras, me dei conta que a humanidade tem aliados no universo que são preocupados sobre o bem-estar e a futura liberdade da nossa raça.

Incluido dentro da cosmologia crescente que estava sendo revelada a mim, é o entendimento que, na história da vida inteligente no universo, as raças eticamente avançadas têm uma obrigação a legar sua sabedoria a jovens raças emergentes tais como a nossa; e que seu legado tem que acontecer sem interferência ou intervenção diretas nos assuntos daquela jovem raça. A intenção aqui consiste em informar, não em interferir. Esse “passar à posteridade da sabedoria” representa um enquadramento ético de longa data com respeito ao Contato com raças emergentes, e como este deve ser realizado. Os dois conjuntos dos Relatórios dos Aliados da Humanidade são uma demonstração clara deste modelo de não-interferência e de Contato ético. Este modelo deve servir como uma luz orientadora e como uma norma que devemos esperar das outras raças manterem em suas tentativas de nós contatar ou de visitar nosso mundo. Todavia, esta demonstração de Contato ético contrasta totalmente com a Intervenção que está acontecendo no mundo atualmente.

Estamos nos dirigindo para uma posição de extrema vulnerabilidade. Com cada dia que passa cresce perigo iminente do esgotamento dos recursos naturais, da degradação do meio ambiente e de mais fragmentação da família humana; estamos prontos para Intervenção. Vivemos aparentemente isolados num mundo rico e valioso, procurado por outros de além da nossa costa. Estamos distraídos e divididos e não vemos o grande perigo intervindo a nossas fronteiras. É um fenômeno que se repete na história cada vez de novo com relação ao destino de povos nativos isolados que estavam enfrentando intervenção pela primeira vez. Não somos realísticos em nossas suposições sobre os poderes e a beneficência da vida inteligente no universo. E só agora estamos começando a examinar cuidadosamente a situação que temos criado para nós mesmos dentro de nosso próprio mundo.

A verdade impopular é que a família humana não está pronta para uma experiência direta de Contato, e com certeza não está pronta para uma intervenção. Primeiro devemos pôr a nossa própria casa em ordem. Não temos a maduridade ainda como espécie para poder travar relações com outras raças na Comunidade Maior a partir de uma posição de unidade, força e discernimento. E até chegar a esta maduridade, se jamais o conseguimos, nenhuma raça devia tentar intervir diretamente em nosso mundo. Os Aliados nos fornecem uma sabedoria e uma perspectiva que são muito necessitadas, e no entanto, eles não estão intervindo. Eles nos dizem que nosso destino está e deve estar em nossas próprias mãos. Tal é o fardo da liberdade no universo.

Porém a Intervenção está acontecendo, apesar da nossa falta de prontidão. A humanidade precisa se preparar para isso agora, o limiar mais signicativo na história humana. No lugar de ser testemunhas passageiras deste fenômeno, estamos bem no meio dele. Ele está acontecendo se nos damos conta dele ou não. Ele tem o poder de mudar o resultado para a humanidade. E tem tudo a ver com quem nós somos e porque estamos aqui no mundo neste tempo.

O Caminho do Conhecimento da Comunidade Maior foi entrego para fornecer ambos o ensinamento e a preparação que precisamos agora para encarar este grande limiar, para renovar o espírito humano e para estabelecer uma nova direção para a família humana. Ele tarta da necessidade urgente para unidade e cooperação humanas; da primazia do Conhecimento, a nossa inteligência espiritual; e das responsabilidades maiores que agora devemos assumir no limiar do espaço. Ele representa uma Nova Mensagem do Criador de toda vida.

A minha missão consiste em trazer esta cosmologia e esta preparação maiores ao mundo, e com elas, uma nova esperança e uma nova promessa para uma humanidade em dificuldade. Minha extensa preparação e o imenso ensinamento no Caminho do Conhecimento da Comunidade Maior estão aqui para cumprir este objetivo. Os Relatórios dos Aliados da Humanidade são apenas uma pequena parte desta mensagem maior. É hora de pôr fim a nossos conflitos incessantes e nos preparar para a vida na Comunidade Maior. Para fazer isto, precisamos de uma nova percepção de nós mesmos como um povo, o povo nativo deste mundo, nascido de uma única espiritualidade; e precisamos de uma nova percepção de nossa posição vulnerável como uma raça jovem emergindo no universo. Esta é a minha mensagem para a humanidade e eu vim aqui para isto.

Marshall Vian Summers

2008

Uma mensagem de Marshall Vian Summers em PDF